Evolução do Estado do Tempo – 8 a 16 de Julho

Evolução do Estado do Tempo – 8 a 16 de Julho

UPDATE 08 JULHO 2021 – Situação Atual e Evolução

A partir de dia 8 de julho as temperaturas vão iniciar um processo de subida exponencial em Portugal Continental, deixando um pouco mais suave essa subida na faixa litoral.

Responsabilidade por isso para a deslocação para leste de uma depressão que tem estado a condicionar o tempo na Península Ibérica e, consequente subida de geopotenciais e aproximação da área anticiclónica à Península Ibérica.

Ao mesmo tempo, uma bolsa de ar frio em altura surgirá na zona da Madeira e com posterior deslocação para os Açores.

Efeitos em Portugal Continental a partir de dia 8 e até dia 11/12

Essa bolsa de ar frio em altura irá arrastar uma massa de ar quente e seca do norte de África e igualmente muitas poeiras, principalmente para a região interior e sul de Portugal Continental.

O que travará maiores subidas e até que as poeiras possam chegar mais a norte, será a aproximação de nova depressão, com uma massa de ar frio de norte que comprimirá o ar quente, sobretudo na metade sul do território, como se pode ver nas imagens seguintes (a primeira, o geopotencial a 500hPa, com esse jogo de forças entre o fresco com as cores mais frias e o quente com as cores vermelho mais intenso e a segunda, as poeiras vindas do norte de África):

Teremos então entre 8 e 10 uma subida generalizada das temperaturas, podendo ainda haver uma subida no sudeste continental no domingo, mas já sendo domingo um dia com tendência para descida das máximas, sobretudo entre norte e centro-sul.

No litoral, as temperaturas continuam mais amenas devido ao efeito da nortada moderada a forte e dos nevoeiros matinais, em especial neste último caso, no litoral centro e Região Oeste.

O mapa seguinte aponta as máximas previstas pela MeteoMira para os próximos dias, tanto nas capitais de distrito de Portugal Continental como em alguns locais junto ao mar e em zonas de calor mais intenso.

Destaque ainda para a possibilidade de choque de massas de ar intenso poder despoletar trovoadas ou rajadas convectivas no interior sudeste a partir da tarde de domingo:

Atenção ao vento que se manterá moderado a forte de norte na metade litoral (uns dias mais que outros), mas a partir de domingo, muito cuidado com os incêndios pois o vento alastrará, de oeste/noroeste, para o interior, com rajadas moderadas a fortes (especialmente dia 12).

O risco de incêndio será elevado a partir de dia 11, sendo que com a descida mais significativa das temperaturas e até com alguma humidade no ar no dia 12 possa atenuar o risco de incêndio em Portugal Continental.
A situação será de extremo perigo em Espanha, como se pode ver nas imagens seguintes para domingo (11) e segunda (12):

Depois de dia 11?

Como já se disse, a aproximação de baixos geopotenciais a norte na 2ª feira causará uma mudança de visual no estado do tempo, com descida gradual e significativa das temperaturas, em especial acima do Tejo e com incremento da nebulosidade.

Além disso, na noite de domingo e manhã de 2ª feira, os aguaceiros fracos podem voltar em especial ao Minho e Douro Litoral e, pontualmente, ao litoral centro.

As imagens seguintes mostram essa nebulosidade e possível precipitação.

O tempo deverá continuar mais ameno/quente a sul até 4ª feira, altura em que as temperaturas tendem de novo a poder subir e o vento a começar a rodar para leste, aquecendo mais nas praias do litoral (não só o ar como também a água do mar, aos poucos).

Madeira e Açores – Como será?

A Madeira terá até dia 9 tempo ameno (muito sol intercalado por nuvens, com vento moderado de nordeste por vezes forte).

Depois de 9 o vento tende a rodar para leste e as temperaturas devem subir significativamente, sendo muito provável que o Funchal possa superar os 30ºC ou mesmo os 33ºC em alguns dias, devido à aproximação da massa de ar quente que entretanto será parcialmente varrida para Oeste até final da semana que vem.

Atenção ao risco de incêndio crescente também para o Arquipélago da Madeira, devido à conjugação das altas temperaturas e vento forte de leste a partir de dia 10!

Nas imagens seguintes, podemos ver a subida significativa das temperaturas e as rajadas fortes.

Nos Açores, não teremos situações extremas de calor, antes pelo contrário.

As anomalias de temperaturas mantém-se por baixo e os aguaceiros serão uma constante, ainda que com períodos de boas abertas no Arquipélago.

A imagem seguinte mostra a anomalia negativa de temperaturas nos Açores enquanto vai subindo na Madeira e se mantem quente no Continente.

Este é o último update semanal porque a MeteoMira terá uma pausa na sua atividade entre 9 e 17 de Julho!

Solicitamos que até lá siga toda a informação em http://www.facebook.com/meteomira e durante a semana de 9 a 17 possa acompanhar tudo na nossa parceira http://www.facebook.com/lusometeo


UPDATE 02 JULHO 2021 – O QUE PROVOCA ESTA SITUAÇÃO?

Antes de mais está prevista na previsão mensal que pode ler aqui: https://bit.ly/3qGEMZW

Uma bolsa de ar frio em altura que se deslocará de sul dos Açores para nordeste, aproximando-se da Madeira (Imagem 1), curvará rapidamente para oeste/sudoeste em direção aos Açores (Imagem 2).

Em contrapartida a alguma instabilidade que irá gerar no Arquipélago dos Açores (poderá trazer antes de chegar aos Açores alguma precipitação na Madeira), fará subir o geopotencial e as temperaturas sobretudo em Portugal Continental mas depois também na Madeira.

Espera-se que as temperaturas a partir de dia 8 de julho comecem a subir rapidamente em Portugal Continental, primeiro no interior e depois, chegando aos poucos ao litoral.

VEM CALOR IGUAL A AGOSTO DE 2018?

A situação apesar de semelhante no interior NÃO é de todo igual!

Primeiro, porque estamos a meio de julho e na altura estávamos no início de Agosto. E isso faz toda a diferença, principalmente na questão relativa à nortada e aos nevoeiros, porque as águas do mar estão frescas (muito frescas) para a época do ano!

Como já disse várias vezes, o litoral permanecerá um pouco resguardado da vaga de calor que aí vem, até porque o vento vai manter componente norte (alguns dias moderado, não muito intenso) e os nevoeiros, com a subida das temperaturas vão existir principalmente no litoral centro e região Oeste/costa de Lisboa.

As imagens 3 e 4 são respetivamente a direção do vento (norte, noroeste e oeste) e, para Peniche, as zonas a mais escuro mostram que os nevoeiros vão regressar novamente.

Assim, teremos as temperaturas usuais nestas regiões para a altura do ano (entre 20 a 27ºC, sendo mais baixo na região Oeste e Costa de Lisboa e subindo entre Figueira da Foz e Viana do Castelo).

Por outro lado, o interior e sul poderão ter temperaturas máximas entre os 33 e os 43ºC, onde poderão haver noites tropicais, com mínimas de perto ou acima de 20ºC.

A imagem seguinte mostra para o Entroncamento (zona central do território), a possibilidade de temperaturas máximas acima dos 40ºC sobretudo 10 a 12 de julho.

Também na Madeira, as temperaturas vão subir significativamente a partir de dia 9/10 de julho, podendo ocorrer alguns aguaceiros no momento de aproximação da bolsa de ar frio (por volta de 7-9 de julho).

Na imagem seguinte, podemos ver a subida da Temperatura a 850hPa (cerca de 1500m de altitude) para o Funchal a partir de dia 10 e até 14, altura em que poderá estabilizar novamente.

Esta subida pode levar o Funchal para valores acima dos 30ºC de máxima.

Este será o primeiro avanço do Verão, mas ainda não será o avanço final para o litoral! Ainda assim teremos alguns dias bons de praia e, possivelmente, entre 10 e 12 de Julho.

Depois de 14 espera-se que a situação comece a estabilizar e não se descartam trovoadas (a confirmar).

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *